quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

BJs

Recebi de um amigo. Não é tudo sobre o assunto, mas é no mínimo engraçado. rsrs

www.youtube.com/watch?v=aZr1DAfWc2s

São 3 da manha de uma noite quente lá fora. A lua não é cheia, quase.

Saudade interminável. Desejo incontrolável. Vontades inconfessáveis.

A cama parece não ajudar, o corpo parece não descansar, o sono não consegue chegar.

Tudo que queria era estar em seus braços, chegar, te encontrar, me aconchegar, te amar. Dividir com você todas essas emoções loucas para aflorarem.

A vontade foi surgindo durante o dia, aumentando, explodindo, culminando à noite.

Seu cheiro, seu gosto, seu sexo que penetram tão profundos que conseguem chegar à alma.

Queria que você estivesse aqui pra gente ficar junto daquele jeito que só você sabe que eu gosto, que só você sabe fazer.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Explícito

Se não estiverem preparados não leiam
Em homenagem à primeira visita do Binho e do Lucas ;)

Quero de quatro na cama pra poder rebolar. Quero te ver bater, morder, xingar.

Se é uma cachorra que você quer, posso latir; se é uma gatinha, posso miar, lamber.

Te quero em casa, no carro, no mundo.

Quero ouvir você falar que quer comer meu... Quero que suas mãos possam sentir o quanto posso me molhar.

Te quero dentro, duro, forte. Quero lamber, chupar, sugar, implorar, adivinhar.

Quero você porque sei que não vai me censurar...

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Para Bruno Porkchop

Um dia ele me contou uma história da sua infância. Disse que mandou um tio pra... e ainda deu um chute na canela dele. Detalhe que ele usava botas ortopédicas, pode??

Pode, claro que pode.

Ele é assim, calmo quando precisa, dedicado, mas quando é pra ficar bravo, ele defende seu ponto de vista e mostra pra que veio.

Sabe o que eu gosto nele? Ele vibra. Isso mesmo vibra com uma idéia, com um jogo de futebol, com um filme do youtube, com algo que ele ache “do caralho”, com seus objetivos.

Sabe o que eu gosto também. Ele sonha, se imagina longe. E não se contenta.

Fala assim “Ou, blablablabalba..”. E os nãaaaao, então.
Ah! Seu burro é uma coisa que ele fala também. Muito sem noção, e outras mais...

Um dia ele me deu um pedacinho do coração dele. Acho que deu. Claro que não no mesmo nível da menina que ele massageou o pé sujo. Mas ele tem um jeitinho de fazer com que as pessoas se sintam importantes.

Ele ama o pai, a mãe, o irmão.

Ah, meu menino...rs, você está virando um homenzinho. Já disse que quero ver essa sua estrela brilhar por aí. Muitos de nós estarão na primeira fila para te aplaudir.

Vá, abra suas asas, voe!!!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

A gente ama com o coração

O mundo anda meio louco, não é? E com isso as relações.

Acredito que as pessoas sempre estão em busca umas das outras, de alguém que tenha algo a acrescentar, mas de repente as pessoas estão tão perdidas que andam confundindo as coisas.

Tem muita gente confundindo sexo com amor ao invés de fazer sexo com amor.

Tudo bem, se o que vocês querem mesmo é só se curtir um pouco, se divertir, beleza, vão gastar o negócio até não ter mais o que dar. Mas chega uma hora que só isso não basta.

Sexo é bom, mas sexo bom é bemmm melhor.

Sexo bom é aquele que faz gozar de corpo e alma!

Pra cativar um homem ou uma mulher, pra que a relação não seja apenas na horizontal, tem que ter um pouco mais.

Para manter as pessoas do seu lado é preciso conquistar também pelo coração.

É preciso ter cuidado com a impressão que se passa, deixar claro a intenção certa. Pode ter gente que ache que você só quer sexo quando na verdade, por trás de tudo, já tem muito carinho, muito querer estar bem e fazer bem.

Volto a repetir, sexo é muuuito bom, mas sexo quando você tem intimidade, quando já conhece o gosto, aquele jeitinho, quando já passou a fase das primeiras vezes com aquela pessoa, já não é dominado pelo medo ou expectativa vai ficando mais gostoso, mais divertido, mais natural, mais prazeroso, mais cúmplice.

Óbvio que para se chegar lá é preciso praticar, mas praticar e se envolver, sem medo de se entregar.

Não achem que o fato de transar pula etapas. Também não achem que não transar ajuda em alguma coisa.

Façam o que tiverem prazer e vontade, mas lembrem-se: pra se ter é preciso cultivar.


Revisora do Prazer, numa semana meio maluca, mas ainda pensando como ela mesma.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Momento cultural

Li um livro interessante esta semana (o que me faz lembrar que prometi a um querido amigo colocar uma lista de livros neste blog e ainda não o fiz, mas já estou providenciando) cujo título é Homem:Manual da usuária.

Não é um livro desses de auto-ajuda e NEM PENSEM QUE ESTOU POR AÍ BUSCANDO SOLUÇÕES PARA UM AMOR MAL RESOLVIDO, até porque homem não vem com bula e uma das melhores coisas sobre esses serzinhos é isso. Ir descobrindo e desvendando eles aos poucos. Cutucando mexendo, conhecendo.

O livro, que me foi dado por uma amiga e que eu já indiquei pra outras tantas, trata simplesmente de um homem, isso mesmo, foi escrito por um homem que engraçadamente nos conta coisas sobre o universo masculino.

Tirando as partes escatológicas, as descrições de uns tipos que eu nunca vou conhecer e de outros que eu mandaria pastar, me rendeu várias risadas.

Obrigada ao Paulo Almeida por rir um pouco dele mesmo e me lembrar de algumas coisas que eu já sabia e me confirmar outras que eu até duvidava.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

By Dorotthy

A linguagem dos corpos silencia as palavras
Não é preciso expressar os sentimentos
Eles dominam nossa alma
E guiam nossos corpos

Essa vontade secreta
Aumenta os desejos
O corpo esquenta
Com um simples pensamento

Eu sei que esse encontro vai acontecer
E que esse segredo vai permanecer
Você tem dúvida?
Ou medo desse risco?

Porque você pode se apaixonar
E mais um encontro implorar
Mas minha vontade pode ser maior
Um desejo abrasador...

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Ela o esperava. Cada minuto pareciam cinco. A cabeça cheia de pensamentos e anseios.

O interfone toca. Ela se olha novamente no espelho e se convence mais uma vez que está linda.

Eles se olham, se cumprimentam. Ele com aquela cara de menino tímido, coisa que ele não é.

A noite continua, a conversa flui. Eles comem, bebem, riem. Era inevitável que se tocassem.

Beijos, abraços, carinhos, amassos. As mãos descobrindo aquele outro corpo tão junto, tão perto, tão colado.

A cama era só mais um cenário. Eles se deitam, se enroscam, se viram.

Ele a penetra com força, gostoso, profundo.

Os movimentos compassados, sincronizados se completam.

É como se um adivinhasse o que o outro espera, como se um adivinhasse o que o outro estava pra fazer.

Entrega total. Sintonia total.

Os cheiros, os gostos, os sentidos. Ela tão macia. Ele tão gostoso.

Não existem amarras. As posições, as possibilidades, sem pudores.

Eles não se cansam. Em meio a declarações e “te adoros” gemidos, sussurros, pedidos, vontades, conversas, descobertas, olhares, sentimentos, segurança, certezas, surpreendem.

O gozo é inevitável. O prazer constante e natural.

Ela se encaixa nele, ele preenche ela.

E essa é só a primeira vez que se encontram. À medida que o tempo passa, que se conhecem, que criam intimidade, TUDO fica cada vez mais, ainda melhor.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Pero mi loco amor
Es tu mejor doctor

Quiero curarte el alma en duelo
Quiero dejarte como nuevo
Y todo va a pasar
Pronto verás el sol brillar

Aunque parezcas despistado con ese caminar pausado
Conozco la razón que hace doler tu corazón

Tú más que nadie merecer ser feliz

Ya vas a ver como van sanando
Poco a poco tus heridas
Ya vas a ver como va
La misma vida a decantar la sal que sobra del mar

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Eu já te amo

Amo seus olhinhos, seu narizinho, sua boquinha, suas mãozinhas, seus bracinhos, suas perninhas, seus pezinhos, seus vinte dedinhos.

Amo suas dobrinhas, seu cheirinho, seu primeiro banho, sua primeira mamadeira.

Amo seu primeiro sorriso, seu primeiro dentinho, seus primeiros passos, sua primeira palavra, seu primeiro abraço.

Amo o dia da sua primeira papinha, do seu primeiro corte de cabelo, da sua primeira cambalhota.

Amo sua primeira pergunta, seu primeiro dia na escola, seu primeiro amor...

Entre as várias coisas que vou te ensinar, uma delas é que você é eternamente responsável por aquilo que cativas.

Não me importa quem você é, de onde vem, o que vai ser. Você já me cativou.

Bem–vindo bebezinho!!!

A Tia Bruna já ama você.

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Atrévete

Atrévete
Salte del closet,
Destápate, quítate el esmalte
Deja de taparte que nadie va a retratarte
Levántate, ponte hyper
Préndete, sácale chispas al estárter
Préndete en fuego como un lighter
Sacúdete el sudor como si fueras un wiper
Que tu eres callejera

Cambia esa cara de seria
Esa cara de intelectual, de enciclopedia
Que te voy a inyectar con la bacteria
Pa’ que des vuelta como machina de feria

Señorita intelectual, ya se que tienes
El área abdominal que va a explotar
Como fiesta patronal, que va a explotar
Como palestino…

Yo se lo que a ti te gusta
Lo que se te mete por los intestinos
Por debajo de la falda como un submarino

Hello, deja el show
Súbete la mini-falda
Hasta la espalda
Súbetela, deja el show, más alta
Que ahora vamo’a bailar por to’a la jarda
Esto es directo, sin parar, one-way

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Sonhos de uma noite de verão

Ando meio retrô ultimamente. Meio anos 50. Nostálgica. Diva. Do tipo que fica imaginando como seria aquela época. Encantada com todas as coisas. Namorando aquela vitrolinha em caixa de madeira que estão vendendo...

Não sei de onde surgiu, de repente veio, no ar. Ares de feminilidade, ingenuidade e sensualidade.

Imagino como seria legal sentar na garupa da lambreta do James Dean e ir a uma lanchonete tomar “vaca preta”. Esperar aquele menino bonito da escola convidar para a matinê de cinema...

Ahhh o Dean, ator, fotógrafo e piloto de corridas. Inteligente, interessante e viril. Com aqueles cabelos revoltos, jogados, o olhar, um charme. Bem meu número.

Porque vocês sabem, né, meninas, o cara tem que ter a “pegada” mas se não tiver o “quê” não dá.

Dizem que ele era...mas vamos deixar isso de lado e ter toda a convicção de que não.

Gostaria de fazer o gênero ingênua chique, usar o "New Look" do Dior. Mas se bem me conheço, calça cigarrete e faixa no cabelo seriam meu dia-a-dia.

Acho que o que mais me agrada é a fase de mudança, descoberta, inovação. Uma coisa de jovialidade solta acontecendo, música, rock, descoberta do anticoncepcional, criação do primeiro sutiã de renda preta...

Quando criança eu já adorava os filmes do Jerry Lewis.

Ando assistindo muito sobre a vida das atrizes da época, Monroe, Hepburn...

Devaneios, devaneios...Vou ficar com eles por enquanto..até novos surgirem ou chegarem.

domingo, 28 de outubro de 2007

Eu queria muito. Mas tive medo...

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

A música toca, inspira, entra. O corpo se movimenta, vai despindo, se mostrando.

À medida que as curvas se mexem, uma peça sai, cai, exibe.

Quanto menos roupa mais desejo. Quanto menos pudor mais paixão. Quanto mais intimidade mais vontade. Quanto menos amarras mais entrega, mais prazer.

É incrível o que dois corpos podem fazer quando se desprendem do mundo lá fora e se entregam ao sem tempo, sem hora.

Falas, gemidos, sussurros, pedidos, vontades. Um ser inteiro, completo a explorar.

Mãos, língua, sexo, penetram, preenchem, invadem.

Fantasias, segredos, experiências, trocas.

Mais, menos...

Tremer, estremecer, gozar.

Tudo isso faz parte do indizível, da intimidade, do nosso recôndito inviolável, onde só eu e você sabemos que vamos nos encontrar.

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Crescer

Escrevi para outra pessoa, mas achei legal e resolvi colocar aqui. O que deu origem à série está em deubrancodenovo.blogspot.com
Muito bom! Vale a pena conhecer.


Um dia você vai encontrar uma menina que terá olhos mais lindos que a menina do panfleto, sorriso mais simpático que a caixa da padaria e ser mais encantadora que a das Casas Bahia.

Nesse dia ela vai ser todas em uma só e te dará o beijo inesquecível no primeiro dia do resto das suas vidas e aí você não apenas sonhará com filhos, mas sim com abraçar o mundo e então saberá que está no seu porto, pois nosso porto seguro é feito no coração das pessoas com quem estamos, independente dos mares que temos que navegar.

Um dia você vai descobrir que dançar ao som do Calypso ou de quem quer que seja é questão de permitir-se, nem que seja por um momento.

Um dia você vai descobrir que gostar do livro x ou y é questão de abster-se de parâmetros e tentar enxergar algo, nem que seja o mínimo.

Um dia você vai descobrir que beber uma só cerveja ou assistir a uma determinada programação é uma questão de acomodar-se, nem que seja só em um dia de extrema preguiça.

Um dia você vai descobrir que não reclamar na segunda-feira é questão de educar-se, nem que seja só em uma.

Um dia você vai descobrir que realmente é mais cômodo estar em um mesmo lugar a vida inteira, mas que se fosse assim você não faria tantos amigos.

Um dia você vai descobrir que se você realmente quisesse essas coisas, talvez não fosse a pessoa que muitos amam.

Um dia você vai descobrir que se você realmente quisesse essas coisas, não teria tantas histórias para contar aos seus netos quando estiver sentado na sua cadeira balanço. E essa você ainda pode ter.

Um dia você vai descobrir que podemos ser nós mesmos, mesmo fazendo coisas que não fazem parte de nós.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Os músculos relaxam, o corpo fica alerta, a respiração mais acelerada e o coração bate mais forte. Os pêlos eriçam, a pele enrubesce o corpo entra em ebulição e uma sensação de bem-estar invade o corpo. É, podemos dizer que é assim quando chegamos lá. Só coisas boas.

Já estão achando que é mais um daqueles picantes, né? O próximo ; )

Cada pessoa tem um comportamento, uma reação. Dizem que, no fim, pode ser assim:

Áries: "Legal, vamos de novo!"

Touro: "Estou com fome - passe a pizza."

Gêmeos: "Você viu o controle remoto?"

Câncer: "Quando vamos nos casar?"

Leão: "Não fui incrivelmente fantástico?" Por um lado bom, por outro nem tanto

Virgem: "Preciso lavar os lençóis."

Libra: "Eu gostei se você também gostou."

Escorpião: "Talvez eu deva desamarrar você agora." Hummmm

Sagitário: "Não me ligue - Eu ligo pra você." Há controvérsias, essa sagitariana que vos escreve não e assim não

Capricórnio: "Você tem cartão de visitas?"

Aquário: "Agora vamos tentar sem roupas." Meu amigo disse que é assim mesmo

Peixes: "Qual você disse que era o seu nome mesmo?”

E você, concorda com a descrição do seu signo?? rs

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Nunca sei o que fazer, como agir. Apesar da certeza, a incerteza sempre surge, faz parte do inconsciente.

O agarrar-se a coisas estranhas, laterais onde se apoiar, rotas de fuga. Mesmo sendo tudo tão claro, óbvio e simples. O bom e velho natural.

O perder tempo como o tentar se impor, mostrar, oferecer, agradar, quando a base já está feita, a admiração e excitação já existem.

Ali naquele canto você me mostra que posso ser eu, limpa, pura, simples, sem amarras nem representações.

Coisas ditas que desarmam, encantam, mostram, ensinam, surpreendem.

No fim ainda existe uma leve inquietação, um quê de acertar. Mas também um gostinho de quero mais. Agradável sensação.

Não posso nos chamar de Nós, mas quando estamos, completamente somos.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

A língua é o músculo mais potente do corpo humano, composta por músculos individuais.

Corpo carnudo alongado, móvel, único e simétrico situado dentro da boca e que é o órgão principal da articulação da palavra, da deglutição e da gustação.

Tal como as impressões digitais, a superfície da língua é diferente de pessoa para pessoa.

É responsável pelo paladar. É nela onde se sente os sabores doce, ácido, amargo e salgado.

Ela é formada na sexta semana de gestação.

A maior língua do mundo segundo o Guiness Book media 9,5 cm.

O crocodilo não consegue mostrar a língua.

Uma girafa pode limpar suas próprias orelhas com a língua. (argh!)

Todos conhecem a expressão dar com a língua nos dentes.

A medicina tradicional chinesa usa a língua para fazer um diagnóstico

Todo mundo já tentou tocar aponta do nariz com a língua.

Pode ser mostrada como símbolo de desaprovação ou como brincadeira.

Esta completamente ligada ao beijo.

Ao beijar o ser humano movimenta 17 músculos da língua.

É extremamente ágil e capaz de delicados movimentos

É um órgão de mil e uma utilidades: exerce importante função durante o ato sexual, é usada como um estimulante ao proferir palavras quentes, é capaz de beijar, lamber, sugar...


Lembrem-se, como todo músculo, a língua deve ser exercitada frequentemente. E como único músculo que não se fadiga, não existe contra-indicação.

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Era só um biquíni de lacinho. Não menor do que os outros do mesmo tipo. O sol queimava a pele.

A brisa suave refrescava o corpo, causando aquela sensação de arrepio, suave frescor.

O pensamento estava longe, entregue àquelas sensações.

De repente uma palavra rompe o silêncio...Oi.

Ela não tinha certeza se aquilo tinha sido real ou se era sua imaginação e vontade naquele momento. Por mais que ela quisesse e fosse possível, era improvável que ele estivesse ali.

Olhou para um lado e nada. Será sonho?! Olhou para o outro e lá estava ele, de pé, olhando para ela de costas nuas e ardentes.

Ela respondeu Oi...fingindo indiferença, surpresa e amarrando naturalmente as alças das costas, que naquele momento já estavam todas soltas, desamarradas.

Eles sabiam que aquele corpo já tinha sido dele, que já havia sido mostrado muito mais do que estava exposto ali. Mas naquela hora eles já não se pertenciam mais.

Aproximaram-se, sentaram de frente, se olharam. Os olhos percorriam todo aquele ser, braços, mãos, pernas, fisionomia, buscando diferenças. O olfato buscava cheiros conhecidos. O paladar lembrava de algum sabor.

Mesmo com toda a nostalgia, a volta ao passado não viraria presente. Por mais que o desejar querer estivesse vivo, não fazia mais parte da realidade.

Eram íntimos sim, mas em uma época que ficou para trás.

Agora eram dois seminus dizendo palavras que seriam levadas pelo vento ou repetindo algumas que já haviam sido.

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Pra você o que representa o indivíduo? Foi a pergunta que fizeram a ela esta manhã. Tá certo que foi por um amigo artista que precisa fazer uma obra sobre o tema para uma exposição, mas deu vazão a várias coisas.

A alma, respondeu. Não sei como representaria isso em forma física, mas pra mim o que representa as pessoas é a alma, a essência.

É até bonito isso, né, mas sem demagogia, é isso mesmo que importa.

A presença da vida das pessoas na nossa vida e vice-versa se dá, pura e simplesmente, por aquilo que representamos uns para os outros, por aquilo que podemos trocar, oferecer, doar de verdade.

Não estou falando apenas de presença física, mas de uma presença espiritual.

Óbvio que a presença física, o contato e calor humano são extremamente importantes e necessários, mas sempre existem aquelas pessoas que estão longe, distantes, que o trabalho não nos deixa ver tanto quanto queremos, ou até mesmo as que já não estão mais neste plano, só que estão sempre em nossas lembranças e pensamentos.

A importância da vida das pessoas na nossa vida e vice-versa se dá por aquele sorriso dado ao ver o outro chegar, por um abraço apertado, um beijo gostoso, um convite aceito, um convite feito, um afago carinhoso na cabeça.

Se dá por aquela vez que ficamos bêbados juntos, por quando você me carregou de cavalinho, por quando você me escolheu para contar seus segredos ou ouvir os meus, por aquele dia que andamos até lá longe, a pé, conversando, pela ajuda pra escolher o vestido de noiva, por chorar no seu casamento, por aquele dia que rimos, rimos e rimos, pelo oi no msn, pela ligação de madrugada, por aquele dia que você riu da minha cara, fez uma piada comigo... pelos momentos que partilhamos e que constroem esta ponte que existe entre nós.

É, tantas coisas numa coisa só, mas como representar concretamente ainda não sei, de repente uma luz que sai e ilumina seu redor, tipo um leque.

sábado, 18 de agosto de 2007

Os 300 de Esparta venceram um exército de homens de número bem maior.

Eram fortes, viris, estrategistas, guerreiros, lutadores, defensores.

Homens com corpos definidos, másculos, dominadores, que faziam amor selvagemente como se fosse a última vez antes de cada guerra, luta, batalha.

Devia ser bom ter braços fortes a te envolver, pernas rígidas onde se enroscar, barriga lisa por onde deslizar, peitoral firme onde se apoiar, cavalgar em um cavalo Puro Sangue, ter toda energia para te proporcionar. Mas eram homens ensinados a não amar, ou ao menos a demonstrar não amar, a sentir, mas não falar.

Em Atenas os homens eram voltados ao estudo, aprendizado, ao pensamento e questionamento. Artistas, atores, escritores, médicos, pessoas consideradas de trabalhos mais normais, gentis.

Apesar de parecerem mais educados, todo homem é homem, todo homem tem dentro de si um lado mais animal, um lado que instigado, incitado, tem muito mais que bom-humor a te mostrar. Um lado que nas mãos da mulher certa, da sua mulher, também pode provocar ardor.

Apesar de todo arrepio e altivez que um espartano pode causar, acho que não conseguiria ver ele, meu, sair sem saber se ia voltar; me ter ternura mas guardá-la atrás do escudo protetor do seu coração; saber as palavras a dizer mas apenas conseguir me olhar.

Será que prefiro um ateniense? Um homem metade físico, metade emoção? Metade luxúria, metade compreensão? Metade eu, metade você? Metades juntas, normais a dividir e conhecer?

É, acho que estou mais pra um terreno e menos pra deus.

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

As sem-razões do amor

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.
Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Carlos Drummond de Andrade

Ele não está mais aqui, mas sua obra ficou. Achei que merecia uma homenagem. 20 anos.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

O Beijo

Tá bom, chega de chororô e vamos falar de coisas mais divertidas.

Na aula de hoje falaremos sobre: O Beijo

Um beijo (latim basium) é o toque dos lábios com qualquer coisa, normalmente uma pessoa. Na cultura ocidental é considerado um gesto de afeição. Entre amigos é utilizado como cumprimento ou despedida. O beijo nos lábios de outra pessoa é um símbolo de afeição romântica ou de desejo sexual - neste último caso, o beijo pode ser também em outras partes do corpo.

Existem mais de 484 formas de beijar.

No beijo também ocorre troca de substâncias. Em média, 0,7 decigrama de albumina, 0,8 miligramas de matérias gordurosas, 0,5 miligramas de sais minerais e cerca de 9 miligramas de água. Além disso, são trocadas outras 18 substâncias orgânicas e cerca de 250 bactérias e vírus. Mas não precisa assustar.

Quando duas pessoas se beijam, a hipófise, o tálamo e o hipotálamo trabalham juntos na liberação dessas substâncias.

Um beijo combina os três sentidos de tato, paladar e olfato.

Durante o beijo movimentamos 29 músculos, dos quais 17 são da língua. Os batimentos cardíacos vão de 60 a 150. Gastamos em média 12 calorias a cada 10 segundos. Os cinco sentidos ficam mais intensos, a produção de hormônios aumenta. Exercemos uma pressão de 12 quilos sobre os lábios.

O tecido da mucosa da boca é o mesmo dos órgãos genitais. Os lábios possuem terminações nervosas que proporcionam prazer, assim como o sexo.

Segundo o Kama Sutra, o beijo que é dado quando o outro está ocupado serve para distrair a mente e para dirigir o amado a pensamentos eróticos.

Ainda de acordo com o livro, a boca é um templo, símbolo de intimidade e confiança.

Uma pessoa beija em média 24 mil beijos. (só!?!?!)

O beijo mais longo do mundo durou 31 horas e 18 minutos. (alguém se habilita??)

Beijos em várias línguas
alemão - küschen
italiano - bacio
francês - baiser
espanhol - beso
inglês - kiss
grego - felia
sueco – xkys

A máfia italiana costumava utilizar o beijo como uma forma de código, mas parou para que seus integrantes não fossem reconhecidos pela polícia.

Esses beijos significavam:
Beijo na mão - demonstração de respeito
Beijo no rosto - saudações ou boas-vindas
Dois beijos no rosto - um acordo acaba de ser firmado
Três beijos no rosto - acontecerá uma execução
Beijo na boca - descoberta de traição e condenação à morte

As primeiras evidências da existência da prática do beijo datam de 1500 a.C.

O primeiro beijo da história do cinema foi em 1895, no filme: The Kiss (O Beijo) dado por May Irvin e John C. Rice.

O beijo mais longo do cinema foi em 1940.

É através do beijo que o ser humano libera seus neurotransmissores.

Áries – beijos demorados e românticos.
Touro - beijo sem pressa, ao estilo de quem pára e aprecia. É mais um beijo de carinho do que de excitação.
Gêmeos - gosta de alternar beijos mais profundos e intensos com leves beijocas.
Câncer – beijos suaves e românticos, como declarações de amor.
Leão - beijos que transparecem força e desejo. Não medem esforços para que sejam perfeitos.
Virgem - é perfeccionista até no beijo, intenso, molhado.
Libra - tem estilo romântico com ternura e sensualidade.
Escorpião - beijos molhados, intensos, exigente, devastador. Dizem que é o signo mais quente do Zodíaco.
Sagitário - beijo quente, empolgado e sensual, com um quê de aventura. Empenhado em agradar o outro.
Capricórnio – beijo contido, porém calculado, oportuno, ele sabe onde quer chegar.
Aquário – tem um beijo surpreendente, original, alternado entre carinhosos e de pura volúpia.
Peixes - beijo inteiramente devotado à pessoa amada, beijos suaves e gostosos que nunca se repetem.


Lembrem-se, só um beijo provoca outro.

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Você que me conhece, que sabe o que eu penso, quem eu sou, que reconhece o que passa meu olhar, que sabe o que quero, que conhece os desejos mais profundos.

Pra você eu me abro, me revelo, confidencio, brinco, choro, rio. Sou eu, menina, mulher, muleca, sem capa, sem véu. Pura essência, real.

Você que não me conhece e que eu quero que conheça.

Pra você eu me intimido, tenho medo, me omito, não brilho, não consigo transparecer, transbordar. Soa estranho porque não existe motivo pra isso, é involuntário, completamente antinatural, infantil, bobo, chega a ser gozado.

Como diz, seria cômico se não fosse trágico. Deve ser expectativa ou questão de tempo.

Espero que o tempo seja bom comigo. Que seja suficiente para não te perder se no meu destino estiver te conquistar.

Voltando à pergunta “Por que não se deixar penetrar?”.

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Semi-plagiado de uma amiga, com alguma personalização, mas muito do que eu queria dizer

Eu quero esta noite
Sentir seus braços fortes
Me tomando devagar
Possuindo até cansar

Quero sentir seu beijo quente
Num rompante ardente
Pronto pra me desarmar

Entrelaçar nossos corpos
E desvendar lentamente cada parte
Provar seu gosto
O sorrir do seu rosto

Venha!
Invada meu coração
Cerque minha alma
Una esses corpos que se almejam

Faça-me completa
Satisfaça meus desejos
Deixe que eu satisfaça os seus
Que te conheça

Deixe que esse ritmo inteso
Que essa vontade imensa
Abrande essa pessoa febril que te deseja

Debaixo dos lencóis
Ou onde você quiser
Nossos olhos serão cúmplices
Do crime de nossas almas
Ou do puro resultado de nós dois

Escrito por Revisora do Prazer e Dorothy

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Acalmar a perseguida; Acasalar;Afogar o ganso;Aliviar a pressão;Bater catão;Bater saquinho; Bater um papo cabeça;Baixar a pemba;Bimbar; Brincar;Brincar de Bola dentro bola fora; Bordoada na criança;Botar a cabeça pra trabalhar;Botar a jurupoca pra piar;Botar a mão na massa;Botar o dedo no bolo;Botar o gargalo pra dentro;Botar o garoto pra ralar;Botar o muleque pra babar;Botar pra fuder;Brincar de médico;Brincar de pistão;Caçar borboleta;Cair de pau; Castigar a perseguida;Catucar por dentro;Chafurdar na lama;Chamuscar o bombril;Coçar o umbigo por dentro;Coito;Colocar recheio;Comer;Conectar;Conjução carnal;Consumar a relação; Copular;Corrupção de menores;Cumprir as obrigações conjugais; Cuspir na cara;Dar; Dar no couro;Dar um chute na grande área;Dar um fight;Dar uma bimbada;Dar uma carcada;Dar uma carimbada;Dar uma chapuletada;Dar uma chinelada na barata;Dar uma piruzada;Dar umazinha; Desbravar a mata atlântica;Descabaçar;Descascar a mandioca;Descer a peia; Desestressar; Desflorar;Deixar a cobra brincar com a aranha;Dormir fora;Dormir junto; Empurra e vem; Entrar com bola e tudo;Estacionar o caminhãozinho;Estocar;Esvaziar o saco;Fazer amor;Fazer a corte;Fazer besteirinha;Fazer bubiça;Fazer fricção;Fazer gostoso;Fazer hora extra;Fazer neném; Fazer o gol; Fazer putaria; Ficar mais íntimo; Fornicar; Fuder; Furunfar; Guardar o carro na garagem;Honrar as calças que veste;Inserir o membro;Introduzir;Ir pra cama;Ir pra zona;Ir pro quarto;Ir pros "finalmente";Levar o Júnior pra brincar;Levar pro abate; Machucar; Mandar bala;Mandar ver;Marcar ponto;Martelar;Matar a pau; Merendar; Meter; Molhar o biscoito;Molhar o pincel;Nhanhar;Oba-oba;Ocupar;Passar a noite em claro; Passar a vara; Passar maionese no pão;Passar o ferro;Pau na greta;Pegar de jeito; Penetrar; Pimba na gorduchinha;Pirulito que bate-bate;Queimar a rosca;Rala e rola;Ralar o mijador; Repartir a peruca;Reproduzir;Sair pra jantar;Se vender;Sentir a dor gostosa que não dói;Socar alho;Subir pelas paredes;Tapa na cara da gata;Tapa na peteca;Tchaca tchaca na butchaca;Ter relações sexuais;Tête-à-tête;Tico-tico no fubá;Tirar o atraso;Tirar o lacre;Tomar na tarraqueta; Transar; Treinar pra fazer bebê;Trepar;Trocar o óleo;Um contra um;Usar o playground; Vestir a peruca no careca;Violar;Violentar;Virar os zói...

São só algumas das mais, bem mais de 300 formas que encontrei para se referir ao ato em si.

A verdade é que quando dois corpos querem, não importa o nome, não importa o lugar, só importa o desejo, a vontade, a excitação, a atração.

Aquele calor que sobe e invade. As mãos que passam pelo corpo, pernas que se entrelaçam, órgãos que se encaixam, movimentos que se completam, dor que vira prazer, prazer que vira êxtase, êxtase que sucumbe, que pega fogo como pólvora, que vira paixão.

Corpos grudados pelo suor, respiração ofegante, murmúrios, gemidos, risos, entrega cumplicidade, contemplação.

Vontade que nasce de um novo beijo, abraço, carinho, eletricidade, química.

Recomeço, com outro nome, ou com o mesmo, ou com nenhum, apenas prazer, se assim você quiser chamar.

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Verdade s.f. realidade; que não implica contradição; que consiste num acordo de pensamento consigo próprio.

Mentira s.f. ato de mentir; impostura; fraude; peta; potoca; lorota; engano dos sentidos ou do espírito; erro; ilusão.

Falsidade s.f. hipocrisia; calúnia; fingimento; corrupção da verdade.

É verdade, as pessoas não mudam. As atitudes, modos e gestos, sim, mas a personalidade não.

A verdade também mente, omite, enrola, não comparece. Mas há mais verdade numa mentira sincera do que numa verdade manipulada.

O medo de assumir e a necessidade de aceitação são melhores que o modo sorrateiro de tentar se infiltrar, vantagear.

As aparências enganam. Ou, pelo menos, tentam.

A verdade, mesmo que mentindo, um dia se deixa transparecer. A mentira descoberta, a máscara caída só se mostra podre.

Pode-se tirar a menina da periferia, mas nunca a periferia da menina, já diziam por aí.

Confiança é uma coisa realmente inabalável, uma vez em base firme, fica.

Não te odeio, não sou capaz disso. Também já foi a fase, não fez e nunca fará real diferença.

Seus detalhes sórdidos por pouco quase enganam, mas o lobo sob a pele de cordeiro jamais sumirá.

Foi por um triz, mas suas contradições e a minha insistente fé na descoberta me fizeram voltar a perceber. Perceber que não tem jeito, que não tem salvação, que é o que é. Ponto final.

Quase fui pega pela minha imensa vontade de que fosse verdade, ainda bem que a cada vez que me decepciono, essa vontade diminui, passa.

Essa pontinha de sentimento que ainda arde é muito menor do que a outra que já existe.

Você não me engana mais, e pra achar que me engana, eu engano você. Te iludo, desestruturo, gero confusão.

Não que te importe, você só vive da sua ilusão.

Também não me importa, sempre vivi sem você.

Voltamos à estaca zero, à posição inicial, que na verdade não existe é simplesmente indiferente.

terça-feira, 31 de julho de 2007

Me encomendaram um post de aniversário. Tarefa um tanto difícil pois, sempre que falamos de alguém que gostamos, queremos muito, muito, muito agradar. Tomara que você goste.


Ele chegou com jeitinho de quem não quer nada, matuto, menino, tímido mas alegre, educado e simpático, bonitim.

Se instalou ali no canto, no começo recatado e observador.

Aos poucos ele foi se acostumando, se integrando, ganhando confiança e admiração, passou a fazer parte, integrar o conjunto.

Por uns ele era desmerecido, desconfiado, abusado, por outros, ou melhor, outras, mimado como a um bebê.

Ele jogava as cartas certas, com confiança, com determinação, mas sutil e prestativo, sem caçar confusão.

Ele era o típico que vai comendo pelas beiradas, que se prepara para dar o tiro certeiro.

Do tipo que quando necessário falava vem ni mim, mas ao mesmo tempo era um total "cê anima?"

Ele não era do tipo que conquista pela força, mas que atinge uma flecha certeira no coração.

Tinha uma risada contagiante, bom demais da conta. Sempre pronto para um aí, vamo?

Ele sempre foi companheiro e leal, até se mostrou em alguns momentos um grande apreciador e admirador (de tudo, meu, delas)...

Ele ainda é um menino, um menino em mutação, um menino prestes a tornar-se homem, um menino prestes a fazer de alguém uma grande mulher.

Preciso de ir, mas saiba que sou apaixonada com você.

FELIZ ANIVERSÁRIO!!

quarta-feira, 25 de julho de 2007

É uma sensação estranha que dá e passa. Que chega sorrateira, deixa perguntas, dúvidas e vai embora. O pior, ou melhor, é que acontece em todas as fases da vida. Na fase de quem sou eu, o que quero ser, aonde quero chegar, será que é você que quero pra mim...

O curioso é que, mesmo sabendo que se tem tudo, parece que tem algo faltando, um buraco.

Às vezes nos ajuda a decidir coisas, a não decidir, ou às vezes é só uma reação química que acontece dentro da gente que pode gerar ou não mudança sem a gente perceber.

Será que é isso que chamam de crescimento, amadurecimento?

Mas do mesmo jeito que vem, vai e serve pra deixar novas forças, independente se conscientes ou intrínsecas.

E depois que acaba é só alegria, uma sensação de alívio, um gostinho, uma energia boa de vida, de prazer, de continuar.

Eu já estou rindo de novo, você também vai...

*Pra você, numa conversa pós-almoço.

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Incrível como as pessoas fazem parte da vida da gente. Elas chegam de diversos lugares, algumas vezes dos mais inusitados, e vão se aconchegando, ganhando espaço, construindo e ajudando a construir história.

E essas histórias, minhas, deles, nossas, vão se misturando, encantando, dando origem a outras coisas. E quando a gente vê já está ali totalmente entregue, de alma limpa, a um dos mais belos sentimentos.

Claro que para cada um existe um jeito especial, uma intensidade, um grau de intimidade, um tipo de afinidade. Mas não deixam de ser laços que podem ser abertos, continuar fechados ou ficar cada dia mais apertados.

Eles só são, e é bom que sejam.


*Escrito pensando em todos, mas exatamente depois de passar uma noite agradável conversando com 4 amigos que se fossem descritos em apenas 1 palavra seriam Alegria, Amigo, Pureza e Interessante.

Receita

1 barra de chocolate ao leite
1 barra de chocolate meio-amargo
100 g de manteiga
1 lata de creme leite
3 ovos
5 colheres de sopa de açúcar

Colocar as barras de chocolate e a manteiga em uma panela. Derreter em banho-maria.

Enquanto derretem, bater as três claras em neve e em outro recipiente as gemas com o açúcar. Só pra constar, as claras não podem ser misturadas com nada, ok?

Depois que o chocolate estiver derretido, juntar tudo na batedeira e deixar misturar bem pra ficar bem aerado, com umas bolinhas de ar. Daí é só colocar em uma forma e deixar gelar.

Dicas:

Se quiser, separe dois quadradinhos do chocolate meio-amargo pra ralar e jogar por cima do doce, dá um efeito bonito.

Bata bem os ovos pra não ficar com cheiro e nem gosto.

No fim, quanto mais você misturar tudo, melhor fica.

Não se esqueça de fazer com boa-vontade e amor!!!

Demora uns 15 min.
Hoje nossos corpos não vão se encontrar. Não por falta de vontade, mas por desencontros do acaso.

Não vamos dividir o mesmo espaço, as respirações não serão compassadas.

Muitos na cidade estão fazendo o que gostaríamos de fazer. Não com o mesmo despudor e a mesma intensidade.

Queria muito chegar bem perto e como quase que grudados olhar nos olhos e entender o que eles estão dizendo, sentir as batidas do seu coração.

Sei eu você está deitado, nu, pensando em mim. Também estou, ainda vestida, pensando em você.

Vai ser difícil dormir por causa do calor, mesmo sob a chuva.

Esta noite não passaremos em claro, mas as mensagens e ligações trocadas na calada serão uma lembrança boa e ajudarão a esperar ou apressar nosso próximo encontro.

Durma bem meu amor...

domingo, 22 de julho de 2007

Diversão é uma coisa que não tem hora pra acontecer, certo?

Estávamos eu, meu amigo L e minha amiga R nos preparando para fazer mousse de chocolate. Para quem não sabe, mousse é a especialidade da Revisora do Prazer. Na verdade é a única coisa, além de miojo, que ela sabe fazer.

Enfim, para que esta maravilhosa e suculenta receita (que pode ter várias utilidades, mas isso é assunto para outro post) dê certo, é preciso usar as ferramentas certas. Chocolate, ovo, açúcar, manteiga, creme de leite e a BATEDEIRA.

Esse casal de amigos quase recém-casados e modernos não tinha a tal da batedeira, tinham um substituto, desses que dizem que faz tudo, sabe.

Bom, a graça começou quando minha linda amiga não sabia o que era clara em neve (ainda bem que ela é médica), passou pelo ovo semi-choco, pelo L indo ao supermercado no meio da receita comprar novos ovos e chantilly caso nada funcionasse, pela D. C, mãe do L (que mora no interior de Minas) tendo que ensinar a gente a usar o MASTER...

Ahhh o master, aí que eu queria chegar. Quem disse que a tecnologia pode substituir as coisas básicas existentes na cozinha. Colher de pau, ralador, moedor, liquidificador, batedeira, isso tudo tem que ser individual. Nada de 10 em 1, total flex, multiuso não.

Gente, onde está aquele clima de se fazer tudo manualmente, com amor, ver os ingredientes se misturando, unindo-se uns aos outros para um todo novo e encorpado?

Olha, eu adoro telefone, televisão, internet, controle remoto, mas coisa manual é manual, pra colocar a mão na massa mesmo, sentir o prazer de fazer.

No fim tudo deu certo, a clara em neve que foi quase clara em água saiu e o misturador lá do master serviu pra alguma coisa. Mas se você está pensando em se casar, batedeira na lista de presentes.

E fora as boas risadas e os 15 minutos que viraram 2 horas, o docinho até que ficou bom.

quinta-feira, 19 de julho de 2007

* Inspirado em uma conversa com meu amigo Gato de Botas.

Quem nunca ouviu falar nas “Histórias da Carochinha”?
Cinderela, Rapunzel, Branca de Neve, Cachinhos de Ouro, João e Maria, Patinho Feio, Bela Adormecida...

A minha preferida sempre foi Cinderela. De um jeito inexplicável, ela, mais que todas as outras, fazia parte das minhas brincadeiras diárias. O subir e descer escadas para encontrar o príncipe, o belo vestido de baile rodado, o ambiente de mágica onde tudo acontece, a carruagem...Que menina não queria ter uma carruagem só pra ela!?

Hoje a menina cresceu, mas confesso que esse deslumbramento todo ainda encanta e o Reino da Fantasia ainda é algo que desperta uma pontinha de vontade, mesmo que seja no fundo, bem lá no fundo.

Descobri um livro que interpreta e traz essas historinhas para o mundo humano.

Claro que fui ler primeiro o que se falava sobre a borralheira que virou princesa e assim fazer comparações com os dias atuais. E imaginem minha surpresa ao descobrir que foi exatamente a minha querida que deu maior trabalho aos pesquisadores!

Cinderela está ligada ao fetichismo por seu pé delicado. Nos dias de hoje, desde a erótica masculina, sabemos que faz parte do desejo dos homens apegar-se a um traço, uma cor de cabelo, um pé bonito, um par de seios...

Cinderela tem seu lado ''sujo'' de borralheira e sua aparência deslumbrante no baile. Em palavras atuais, faz aquele jogo de mostrar e esconder, causar curiosidade, de instigar.

Sabe ser princesa e ''vagabunda'', como bem cabe ao jogo erótico e como bem cabe ao ditado popular moderno “Dama na sociedade e prostituta na cama”.

Uma mascarada que encanta e foge. Hoje uma sedutora que desperta vontades.

Alguém que quer amar, se apaixonar. Isso também não mudou muito, né?

Por um lado prefiro deixar a Princesa lá no mundo dos contos de fadas e da imaginação, lá onde está nosso lado pueril. Prefiro não quebrar o encanto.

Mas também fico feliz em saber que mulheres modernas podem ter um “quê” de Cinderela (ou da sua encantada favorita), mesmo que nunca imaginemos que possa existir tal relação presente.

Talvez possa arriscar dizer que quem sabe o real se mistura com o imaginário. Ou tem influências inconscientes. Sei lá...

Salagadula mexegabula bibidi-bobidi-bu
Junte isso tudo e teremos então
Bibidi-Bobidi-Bu...

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Tudo é questão de momento, questão de segundo, de um piscar de olhos.
Tudo pode ser mudado dependendo de uma única atitude, de uma única reação.
Tudo que pode realmente ser tudo. Tudo que pode ser nada.
Às vezes o tudo agora era nada momento atrás ou será nada daqui a alguns instantes, num outro lugar.
Todas as reações que eu não entendo. Toda a adrenalina que sobe. Todas as coisas que inexplicavelmente não posso controlar. Tudo que sinto sem querer ou saber por quê.
Tudo que acontece e tira imediatamente a importância das outras coisas.
Tudo que me faz pensar, voltar, ao menos tentar entender, quem sabe decidir.
Tudo que eu preciso para não me perder. Ou não deixar de me encontrar.
Tudo, mesmo que improvável, de certa forma ligado. Tudo que é preciso juntar os cacos. Tudo que é preciso pra recomeçar. Ou pra continuar.
Tudo que continua igual. Na verdade tudo que parece igual, mas que na verdade é diferente.
Tudo é questão de eu, você, nós, aqui agora. O ontem e o amanhã ainda não importam.

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Será que sempre deixamos de sonhar para nos tornar realistas? Onde é o limite do que a gente quer e do que a gente precisa?

Ficamos com as amarras dos compromissos, das obrigações, das promessas, dos desejos, das vontades e toda aquela liberdade de escolha, de ir e vir vai sumindo. Todo aquele descompromisso de certa forma responsável acaba, o caminho aonde o vento nos levar, a capacidade de se surpreender, de se deixar levar, de ser original, viver, o inusitado.

Claro que os rompantes dessa época ainda existem, nos inebriam algumas vezes e por isso nos pegamos a pensar onde foi que tudo aquilo se perdeu. Onde foi que os valores se substituíram, onde a desistência por aquilo que realmente é a realização foi ganhando lugar.

Na verdade tudo isso se mistura e ainda existe o pensamento de conciliação, de juntar as duas coisas, mas a que sacrifício?

Os novos ideais têm que ser alcançados sim, mas não ao preço das coisas mais puras se tornarem distantes, das coisas que dão sabor à vida ficarem meio-amargas, da entrega da sua luminosidade.

As pessoas mudam, mas nem tanto.

O que você queria ser quando crescer?

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Este post é contra-indicado para menores de 18 anos, virgens, pessoas puritanas e para aqueles curiosos que me perguntarão quem é... ;-)

Até que ponto o medo pode ser maior que o desejo? Até quando os beijos, carinhos e abraços serão normais? Até quando as vontades ficarão apenas nos olhares? Até quando a sua mão na minha pele vai ser apenas superficial?

Não se trata de loucura, de devaneio, de paixão arrebatadora, de ilusão. Apenas é como tudo que tem que ser, ou melhor, apenas é como tudo que quer ser. Aparece, arrebata, não tem explicação, é instintivo, natural.

Mas se não estamos mais na época do sapino e do pernambuco, o que são todas as palavras que não saem, os toques que não se encontram, a proximidade que não vem?

Será dúvida do interesse mútuo? Será receio de perder o que ainda nem se tem? Será bobeira ou pura falta de coragem?

São muitas questões adolescentes para uma mulher. Sim, uma mulher que na maioria das vezes tem tanta certeza das suas vontades e atitudes. Uma mulher que desta vez, superficialmente, pára, fica estática, boba, muda, ininteligível.

Tem medo de quê, revisora?

Te colocar num lugar que está ocupado, mas que, ao menos por enquanto, é seu.

sábado, 7 de julho de 2007

Ela me pediu pra guardar segredo. E esse era realmente daqueles que não se pode contar pra ninguém.

Não que fosse uma confissão de amantes sobre seus encontros furtivos em tardes calorosas, nem um crime inconfessável ou uma atitude sem escrúpulos.

Mas era ela, ali, nua em pêlo, não de corpo, mas de alma. Despida de qualquer pudor em relação àquele sentimento. Desprotegida e violada da maneira mais segura possível.

Sua vontade era gritar, livrar-se dos ressaltos, pedir ajuda pra entender.

Aquilo já era ela, a nova ela que ainda estava se conhecendo em meio a rosas e cor-de-rosa. A menina que deixava pra ser mulher. A força que a tornaria o pilar que ela sabe que pode ser. Eram poemas de transição para a plenitude.

Te adoro. Você sabe que sempre estarei aqui pra você.

quarta-feira, 4 de julho de 2007

Tudo isso começou com uma brincadeira. Um amigo tinha, um amigo do amigo tinha, mais gente tinha, todo mundo tinha, então eu ia ter também. Que tanto de tinha, né!?

Não que fosse uma questão de ter por ter, mas uma questão de ter gostado do que via. Uma possibilidade diferente.

A vontade de escrever sempre existiu, mas escrever o quê, pra quem? Algumas tentativas foram feitas, mas sempre com emoção, com o coração, com o que sentia. Às vezes tanta exposição assusta. Mas, por que não? Por que, de repente, não se mostrar, não se expor, não se deixar conhecer, não se deixar penetrar, transparecer.

O resultado nós ainda vamos conhecer...