quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Era só um biquíni de lacinho. Não menor do que os outros do mesmo tipo. O sol queimava a pele.

A brisa suave refrescava o corpo, causando aquela sensação de arrepio, suave frescor.

O pensamento estava longe, entregue àquelas sensações.

De repente uma palavra rompe o silêncio...Oi.

Ela não tinha certeza se aquilo tinha sido real ou se era sua imaginação e vontade naquele momento. Por mais que ela quisesse e fosse possível, era improvável que ele estivesse ali.

Olhou para um lado e nada. Será sonho?! Olhou para o outro e lá estava ele, de pé, olhando para ela de costas nuas e ardentes.

Ela respondeu Oi...fingindo indiferença, surpresa e amarrando naturalmente as alças das costas, que naquele momento já estavam todas soltas, desamarradas.

Eles sabiam que aquele corpo já tinha sido dele, que já havia sido mostrado muito mais do que estava exposto ali. Mas naquela hora eles já não se pertenciam mais.

Aproximaram-se, sentaram de frente, se olharam. Os olhos percorriam todo aquele ser, braços, mãos, pernas, fisionomia, buscando diferenças. O olfato buscava cheiros conhecidos. O paladar lembrava de algum sabor.

Mesmo com toda a nostalgia, a volta ao passado não viraria presente. Por mais que o desejar querer estivesse vivo, não fazia mais parte da realidade.

Eram íntimos sim, mas em uma época que ficou para trás.

Agora eram dois seminus dizendo palavras que seriam levadas pelo vento ou repetindo algumas que já haviam sido.

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Pra você o que representa o indivíduo? Foi a pergunta que fizeram a ela esta manhã. Tá certo que foi por um amigo artista que precisa fazer uma obra sobre o tema para uma exposição, mas deu vazão a várias coisas.

A alma, respondeu. Não sei como representaria isso em forma física, mas pra mim o que representa as pessoas é a alma, a essência.

É até bonito isso, né, mas sem demagogia, é isso mesmo que importa.

A presença da vida das pessoas na nossa vida e vice-versa se dá, pura e simplesmente, por aquilo que representamos uns para os outros, por aquilo que podemos trocar, oferecer, doar de verdade.

Não estou falando apenas de presença física, mas de uma presença espiritual.

Óbvio que a presença física, o contato e calor humano são extremamente importantes e necessários, mas sempre existem aquelas pessoas que estão longe, distantes, que o trabalho não nos deixa ver tanto quanto queremos, ou até mesmo as que já não estão mais neste plano, só que estão sempre em nossas lembranças e pensamentos.

A importância da vida das pessoas na nossa vida e vice-versa se dá por aquele sorriso dado ao ver o outro chegar, por um abraço apertado, um beijo gostoso, um convite aceito, um convite feito, um afago carinhoso na cabeça.

Se dá por aquela vez que ficamos bêbados juntos, por quando você me carregou de cavalinho, por quando você me escolheu para contar seus segredos ou ouvir os meus, por aquele dia que andamos até lá longe, a pé, conversando, pela ajuda pra escolher o vestido de noiva, por chorar no seu casamento, por aquele dia que rimos, rimos e rimos, pelo oi no msn, pela ligação de madrugada, por aquele dia que você riu da minha cara, fez uma piada comigo... pelos momentos que partilhamos e que constroem esta ponte que existe entre nós.

É, tantas coisas numa coisa só, mas como representar concretamente ainda não sei, de repente uma luz que sai e ilumina seu redor, tipo um leque.

sábado, 18 de agosto de 2007

Os 300 de Esparta venceram um exército de homens de número bem maior.

Eram fortes, viris, estrategistas, guerreiros, lutadores, defensores.

Homens com corpos definidos, másculos, dominadores, que faziam amor selvagemente como se fosse a última vez antes de cada guerra, luta, batalha.

Devia ser bom ter braços fortes a te envolver, pernas rígidas onde se enroscar, barriga lisa por onde deslizar, peitoral firme onde se apoiar, cavalgar em um cavalo Puro Sangue, ter toda energia para te proporcionar. Mas eram homens ensinados a não amar, ou ao menos a demonstrar não amar, a sentir, mas não falar.

Em Atenas os homens eram voltados ao estudo, aprendizado, ao pensamento e questionamento. Artistas, atores, escritores, médicos, pessoas consideradas de trabalhos mais normais, gentis.

Apesar de parecerem mais educados, todo homem é homem, todo homem tem dentro de si um lado mais animal, um lado que instigado, incitado, tem muito mais que bom-humor a te mostrar. Um lado que nas mãos da mulher certa, da sua mulher, também pode provocar ardor.

Apesar de todo arrepio e altivez que um espartano pode causar, acho que não conseguiria ver ele, meu, sair sem saber se ia voltar; me ter ternura mas guardá-la atrás do escudo protetor do seu coração; saber as palavras a dizer mas apenas conseguir me olhar.

Será que prefiro um ateniense? Um homem metade físico, metade emoção? Metade luxúria, metade compreensão? Metade eu, metade você? Metades juntas, normais a dividir e conhecer?

É, acho que estou mais pra um terreno e menos pra deus.

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

As sem-razões do amor

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.
Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Carlos Drummond de Andrade

Ele não está mais aqui, mas sua obra ficou. Achei que merecia uma homenagem. 20 anos.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

O Beijo

Tá bom, chega de chororô e vamos falar de coisas mais divertidas.

Na aula de hoje falaremos sobre: O Beijo

Um beijo (latim basium) é o toque dos lábios com qualquer coisa, normalmente uma pessoa. Na cultura ocidental é considerado um gesto de afeição. Entre amigos é utilizado como cumprimento ou despedida. O beijo nos lábios de outra pessoa é um símbolo de afeição romântica ou de desejo sexual - neste último caso, o beijo pode ser também em outras partes do corpo.

Existem mais de 484 formas de beijar.

No beijo também ocorre troca de substâncias. Em média, 0,7 decigrama de albumina, 0,8 miligramas de matérias gordurosas, 0,5 miligramas de sais minerais e cerca de 9 miligramas de água. Além disso, são trocadas outras 18 substâncias orgânicas e cerca de 250 bactérias e vírus. Mas não precisa assustar.

Quando duas pessoas se beijam, a hipófise, o tálamo e o hipotálamo trabalham juntos na liberação dessas substâncias.

Um beijo combina os três sentidos de tato, paladar e olfato.

Durante o beijo movimentamos 29 músculos, dos quais 17 são da língua. Os batimentos cardíacos vão de 60 a 150. Gastamos em média 12 calorias a cada 10 segundos. Os cinco sentidos ficam mais intensos, a produção de hormônios aumenta. Exercemos uma pressão de 12 quilos sobre os lábios.

O tecido da mucosa da boca é o mesmo dos órgãos genitais. Os lábios possuem terminações nervosas que proporcionam prazer, assim como o sexo.

Segundo o Kama Sutra, o beijo que é dado quando o outro está ocupado serve para distrair a mente e para dirigir o amado a pensamentos eróticos.

Ainda de acordo com o livro, a boca é um templo, símbolo de intimidade e confiança.

Uma pessoa beija em média 24 mil beijos. (só!?!?!)

O beijo mais longo do mundo durou 31 horas e 18 minutos. (alguém se habilita??)

Beijos em várias línguas
alemão - küschen
italiano - bacio
francês - baiser
espanhol - beso
inglês - kiss
grego - felia
sueco – xkys

A máfia italiana costumava utilizar o beijo como uma forma de código, mas parou para que seus integrantes não fossem reconhecidos pela polícia.

Esses beijos significavam:
Beijo na mão - demonstração de respeito
Beijo no rosto - saudações ou boas-vindas
Dois beijos no rosto - um acordo acaba de ser firmado
Três beijos no rosto - acontecerá uma execução
Beijo na boca - descoberta de traição e condenação à morte

As primeiras evidências da existência da prática do beijo datam de 1500 a.C.

O primeiro beijo da história do cinema foi em 1895, no filme: The Kiss (O Beijo) dado por May Irvin e John C. Rice.

O beijo mais longo do cinema foi em 1940.

É através do beijo que o ser humano libera seus neurotransmissores.

Áries – beijos demorados e românticos.
Touro - beijo sem pressa, ao estilo de quem pára e aprecia. É mais um beijo de carinho do que de excitação.
Gêmeos - gosta de alternar beijos mais profundos e intensos com leves beijocas.
Câncer – beijos suaves e românticos, como declarações de amor.
Leão - beijos que transparecem força e desejo. Não medem esforços para que sejam perfeitos.
Virgem - é perfeccionista até no beijo, intenso, molhado.
Libra - tem estilo romântico com ternura e sensualidade.
Escorpião - beijos molhados, intensos, exigente, devastador. Dizem que é o signo mais quente do Zodíaco.
Sagitário - beijo quente, empolgado e sensual, com um quê de aventura. Empenhado em agradar o outro.
Capricórnio – beijo contido, porém calculado, oportuno, ele sabe onde quer chegar.
Aquário – tem um beijo surpreendente, original, alternado entre carinhosos e de pura volúpia.
Peixes - beijo inteiramente devotado à pessoa amada, beijos suaves e gostosos que nunca se repetem.


Lembrem-se, só um beijo provoca outro.

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Você que me conhece, que sabe o que eu penso, quem eu sou, que reconhece o que passa meu olhar, que sabe o que quero, que conhece os desejos mais profundos.

Pra você eu me abro, me revelo, confidencio, brinco, choro, rio. Sou eu, menina, mulher, muleca, sem capa, sem véu. Pura essência, real.

Você que não me conhece e que eu quero que conheça.

Pra você eu me intimido, tenho medo, me omito, não brilho, não consigo transparecer, transbordar. Soa estranho porque não existe motivo pra isso, é involuntário, completamente antinatural, infantil, bobo, chega a ser gozado.

Como diz, seria cômico se não fosse trágico. Deve ser expectativa ou questão de tempo.

Espero que o tempo seja bom comigo. Que seja suficiente para não te perder se no meu destino estiver te conquistar.

Voltando à pergunta “Por que não se deixar penetrar?”.

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Semi-plagiado de uma amiga, com alguma personalização, mas muito do que eu queria dizer

Eu quero esta noite
Sentir seus braços fortes
Me tomando devagar
Possuindo até cansar

Quero sentir seu beijo quente
Num rompante ardente
Pronto pra me desarmar

Entrelaçar nossos corpos
E desvendar lentamente cada parte
Provar seu gosto
O sorrir do seu rosto

Venha!
Invada meu coração
Cerque minha alma
Una esses corpos que se almejam

Faça-me completa
Satisfaça meus desejos
Deixe que eu satisfaça os seus
Que te conheça

Deixe que esse ritmo inteso
Que essa vontade imensa
Abrande essa pessoa febril que te deseja

Debaixo dos lencóis
Ou onde você quiser
Nossos olhos serão cúmplices
Do crime de nossas almas
Ou do puro resultado de nós dois

Escrito por Revisora do Prazer e Dorothy

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Acalmar a perseguida; Acasalar;Afogar o ganso;Aliviar a pressão;Bater catão;Bater saquinho; Bater um papo cabeça;Baixar a pemba;Bimbar; Brincar;Brincar de Bola dentro bola fora; Bordoada na criança;Botar a cabeça pra trabalhar;Botar a jurupoca pra piar;Botar a mão na massa;Botar o dedo no bolo;Botar o gargalo pra dentro;Botar o garoto pra ralar;Botar o muleque pra babar;Botar pra fuder;Brincar de médico;Brincar de pistão;Caçar borboleta;Cair de pau; Castigar a perseguida;Catucar por dentro;Chafurdar na lama;Chamuscar o bombril;Coçar o umbigo por dentro;Coito;Colocar recheio;Comer;Conectar;Conjução carnal;Consumar a relação; Copular;Corrupção de menores;Cumprir as obrigações conjugais; Cuspir na cara;Dar; Dar no couro;Dar um chute na grande área;Dar um fight;Dar uma bimbada;Dar uma carcada;Dar uma carimbada;Dar uma chapuletada;Dar uma chinelada na barata;Dar uma piruzada;Dar umazinha; Desbravar a mata atlântica;Descabaçar;Descascar a mandioca;Descer a peia; Desestressar; Desflorar;Deixar a cobra brincar com a aranha;Dormir fora;Dormir junto; Empurra e vem; Entrar com bola e tudo;Estacionar o caminhãozinho;Estocar;Esvaziar o saco;Fazer amor;Fazer a corte;Fazer besteirinha;Fazer bubiça;Fazer fricção;Fazer gostoso;Fazer hora extra;Fazer neném; Fazer o gol; Fazer putaria; Ficar mais íntimo; Fornicar; Fuder; Furunfar; Guardar o carro na garagem;Honrar as calças que veste;Inserir o membro;Introduzir;Ir pra cama;Ir pra zona;Ir pro quarto;Ir pros "finalmente";Levar o Júnior pra brincar;Levar pro abate; Machucar; Mandar bala;Mandar ver;Marcar ponto;Martelar;Matar a pau; Merendar; Meter; Molhar o biscoito;Molhar o pincel;Nhanhar;Oba-oba;Ocupar;Passar a noite em claro; Passar a vara; Passar maionese no pão;Passar o ferro;Pau na greta;Pegar de jeito; Penetrar; Pimba na gorduchinha;Pirulito que bate-bate;Queimar a rosca;Rala e rola;Ralar o mijador; Repartir a peruca;Reproduzir;Sair pra jantar;Se vender;Sentir a dor gostosa que não dói;Socar alho;Subir pelas paredes;Tapa na cara da gata;Tapa na peteca;Tchaca tchaca na butchaca;Ter relações sexuais;Tête-à-tête;Tico-tico no fubá;Tirar o atraso;Tirar o lacre;Tomar na tarraqueta; Transar; Treinar pra fazer bebê;Trepar;Trocar o óleo;Um contra um;Usar o playground; Vestir a peruca no careca;Violar;Violentar;Virar os zói...

São só algumas das mais, bem mais de 300 formas que encontrei para se referir ao ato em si.

A verdade é que quando dois corpos querem, não importa o nome, não importa o lugar, só importa o desejo, a vontade, a excitação, a atração.

Aquele calor que sobe e invade. As mãos que passam pelo corpo, pernas que se entrelaçam, órgãos que se encaixam, movimentos que se completam, dor que vira prazer, prazer que vira êxtase, êxtase que sucumbe, que pega fogo como pólvora, que vira paixão.

Corpos grudados pelo suor, respiração ofegante, murmúrios, gemidos, risos, entrega cumplicidade, contemplação.

Vontade que nasce de um novo beijo, abraço, carinho, eletricidade, química.

Recomeço, com outro nome, ou com o mesmo, ou com nenhum, apenas prazer, se assim você quiser chamar.

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Verdade s.f. realidade; que não implica contradição; que consiste num acordo de pensamento consigo próprio.

Mentira s.f. ato de mentir; impostura; fraude; peta; potoca; lorota; engano dos sentidos ou do espírito; erro; ilusão.

Falsidade s.f. hipocrisia; calúnia; fingimento; corrupção da verdade.

É verdade, as pessoas não mudam. As atitudes, modos e gestos, sim, mas a personalidade não.

A verdade também mente, omite, enrola, não comparece. Mas há mais verdade numa mentira sincera do que numa verdade manipulada.

O medo de assumir e a necessidade de aceitação são melhores que o modo sorrateiro de tentar se infiltrar, vantagear.

As aparências enganam. Ou, pelo menos, tentam.

A verdade, mesmo que mentindo, um dia se deixa transparecer. A mentira descoberta, a máscara caída só se mostra podre.

Pode-se tirar a menina da periferia, mas nunca a periferia da menina, já diziam por aí.

Confiança é uma coisa realmente inabalável, uma vez em base firme, fica.

Não te odeio, não sou capaz disso. Também já foi a fase, não fez e nunca fará real diferença.

Seus detalhes sórdidos por pouco quase enganam, mas o lobo sob a pele de cordeiro jamais sumirá.

Foi por um triz, mas suas contradições e a minha insistente fé na descoberta me fizeram voltar a perceber. Perceber que não tem jeito, que não tem salvação, que é o que é. Ponto final.

Quase fui pega pela minha imensa vontade de que fosse verdade, ainda bem que a cada vez que me decepciono, essa vontade diminui, passa.

Essa pontinha de sentimento que ainda arde é muito menor do que a outra que já existe.

Você não me engana mais, e pra achar que me engana, eu engano você. Te iludo, desestruturo, gero confusão.

Não que te importe, você só vive da sua ilusão.

Também não me importa, sempre vivi sem você.

Voltamos à estaca zero, à posição inicial, que na verdade não existe é simplesmente indiferente.