quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Atrévete

Atrévete
Salte del closet,
Destápate, quítate el esmalte
Deja de taparte que nadie va a retratarte
Levántate, ponte hyper
Préndete, sácale chispas al estárter
Préndete en fuego como un lighter
Sacúdete el sudor como si fueras un wiper
Que tu eres callejera

Cambia esa cara de seria
Esa cara de intelectual, de enciclopedia
Que te voy a inyectar con la bacteria
Pa’ que des vuelta como machina de feria

Señorita intelectual, ya se que tienes
El área abdominal que va a explotar
Como fiesta patronal, que va a explotar
Como palestino…

Yo se lo que a ti te gusta
Lo que se te mete por los intestinos
Por debajo de la falda como un submarino

Hello, deja el show
Súbete la mini-falda
Hasta la espalda
Súbetela, deja el show, más alta
Que ahora vamo’a bailar por to’a la jarda
Esto es directo, sin parar, one-way

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Sonhos de uma noite de verão

Ando meio retrô ultimamente. Meio anos 50. Nostálgica. Diva. Do tipo que fica imaginando como seria aquela época. Encantada com todas as coisas. Namorando aquela vitrolinha em caixa de madeira que estão vendendo...

Não sei de onde surgiu, de repente veio, no ar. Ares de feminilidade, ingenuidade e sensualidade.

Imagino como seria legal sentar na garupa da lambreta do James Dean e ir a uma lanchonete tomar “vaca preta”. Esperar aquele menino bonito da escola convidar para a matinê de cinema...

Ahhh o Dean, ator, fotógrafo e piloto de corridas. Inteligente, interessante e viril. Com aqueles cabelos revoltos, jogados, o olhar, um charme. Bem meu número.

Porque vocês sabem, né, meninas, o cara tem que ter a “pegada” mas se não tiver o “quê” não dá.

Dizem que ele era...mas vamos deixar isso de lado e ter toda a convicção de que não.

Gostaria de fazer o gênero ingênua chique, usar o "New Look" do Dior. Mas se bem me conheço, calça cigarrete e faixa no cabelo seriam meu dia-a-dia.

Acho que o que mais me agrada é a fase de mudança, descoberta, inovação. Uma coisa de jovialidade solta acontecendo, música, rock, descoberta do anticoncepcional, criação do primeiro sutiã de renda preta...

Quando criança eu já adorava os filmes do Jerry Lewis.

Ando assistindo muito sobre a vida das atrizes da época, Monroe, Hepburn...

Devaneios, devaneios...Vou ficar com eles por enquanto..até novos surgirem ou chegarem.

domingo, 28 de outubro de 2007

Eu queria muito. Mas tive medo...

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

A música toca, inspira, entra. O corpo se movimenta, vai despindo, se mostrando.

À medida que as curvas se mexem, uma peça sai, cai, exibe.

Quanto menos roupa mais desejo. Quanto menos pudor mais paixão. Quanto mais intimidade mais vontade. Quanto menos amarras mais entrega, mais prazer.

É incrível o que dois corpos podem fazer quando se desprendem do mundo lá fora e se entregam ao sem tempo, sem hora.

Falas, gemidos, sussurros, pedidos, vontades. Um ser inteiro, completo a explorar.

Mãos, língua, sexo, penetram, preenchem, invadem.

Fantasias, segredos, experiências, trocas.

Mais, menos...

Tremer, estremecer, gozar.

Tudo isso faz parte do indizível, da intimidade, do nosso recôndito inviolável, onde só eu e você sabemos que vamos nos encontrar.

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Crescer

Escrevi para outra pessoa, mas achei legal e resolvi colocar aqui. O que deu origem à série está em deubrancodenovo.blogspot.com
Muito bom! Vale a pena conhecer.


Um dia você vai encontrar uma menina que terá olhos mais lindos que a menina do panfleto, sorriso mais simpático que a caixa da padaria e ser mais encantadora que a das Casas Bahia.

Nesse dia ela vai ser todas em uma só e te dará o beijo inesquecível no primeiro dia do resto das suas vidas e aí você não apenas sonhará com filhos, mas sim com abraçar o mundo e então saberá que está no seu porto, pois nosso porto seguro é feito no coração das pessoas com quem estamos, independente dos mares que temos que navegar.

Um dia você vai descobrir que dançar ao som do Calypso ou de quem quer que seja é questão de permitir-se, nem que seja por um momento.

Um dia você vai descobrir que gostar do livro x ou y é questão de abster-se de parâmetros e tentar enxergar algo, nem que seja o mínimo.

Um dia você vai descobrir que beber uma só cerveja ou assistir a uma determinada programação é uma questão de acomodar-se, nem que seja só em um dia de extrema preguiça.

Um dia você vai descobrir que não reclamar na segunda-feira é questão de educar-se, nem que seja só em uma.

Um dia você vai descobrir que realmente é mais cômodo estar em um mesmo lugar a vida inteira, mas que se fosse assim você não faria tantos amigos.

Um dia você vai descobrir que se você realmente quisesse essas coisas, talvez não fosse a pessoa que muitos amam.

Um dia você vai descobrir que se você realmente quisesse essas coisas, não teria tantas histórias para contar aos seus netos quando estiver sentado na sua cadeira balanço. E essa você ainda pode ter.

Um dia você vai descobrir que podemos ser nós mesmos, mesmo fazendo coisas que não fazem parte de nós.