quarta-feira, 28 de novembro de 2007

By Dorotthy

A linguagem dos corpos silencia as palavras
Não é preciso expressar os sentimentos
Eles dominam nossa alma
E guiam nossos corpos

Essa vontade secreta
Aumenta os desejos
O corpo esquenta
Com um simples pensamento

Eu sei que esse encontro vai acontecer
E que esse segredo vai permanecer
Você tem dúvida?
Ou medo desse risco?

Porque você pode se apaixonar
E mais um encontro implorar
Mas minha vontade pode ser maior
Um desejo abrasador...

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Ela o esperava. Cada minuto pareciam cinco. A cabeça cheia de pensamentos e anseios.

O interfone toca. Ela se olha novamente no espelho e se convence mais uma vez que está linda.

Eles se olham, se cumprimentam. Ele com aquela cara de menino tímido, coisa que ele não é.

A noite continua, a conversa flui. Eles comem, bebem, riem. Era inevitável que se tocassem.

Beijos, abraços, carinhos, amassos. As mãos descobrindo aquele outro corpo tão junto, tão perto, tão colado.

A cama era só mais um cenário. Eles se deitam, se enroscam, se viram.

Ele a penetra com força, gostoso, profundo.

Os movimentos compassados, sincronizados se completam.

É como se um adivinhasse o que o outro espera, como se um adivinhasse o que o outro estava pra fazer.

Entrega total. Sintonia total.

Os cheiros, os gostos, os sentidos. Ela tão macia. Ele tão gostoso.

Não existem amarras. As posições, as possibilidades, sem pudores.

Eles não se cansam. Em meio a declarações e “te adoros” gemidos, sussurros, pedidos, vontades, conversas, descobertas, olhares, sentimentos, segurança, certezas, surpreendem.

O gozo é inevitável. O prazer constante e natural.

Ela se encaixa nele, ele preenche ela.

E essa é só a primeira vez que se encontram. À medida que o tempo passa, que se conhecem, que criam intimidade, TUDO fica cada vez mais, ainda melhor.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Pero mi loco amor
Es tu mejor doctor

Quiero curarte el alma en duelo
Quiero dejarte como nuevo
Y todo va a pasar
Pronto verás el sol brillar

Aunque parezcas despistado con ese caminar pausado
Conozco la razón que hace doler tu corazón

Tú más que nadie merecer ser feliz

Ya vas a ver como van sanando
Poco a poco tus heridas
Ya vas a ver como va
La misma vida a decantar la sal que sobra del mar

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Eu já te amo

Amo seus olhinhos, seu narizinho, sua boquinha, suas mãozinhas, seus bracinhos, suas perninhas, seus pezinhos, seus vinte dedinhos.

Amo suas dobrinhas, seu cheirinho, seu primeiro banho, sua primeira mamadeira.

Amo seu primeiro sorriso, seu primeiro dentinho, seus primeiros passos, sua primeira palavra, seu primeiro abraço.

Amo o dia da sua primeira papinha, do seu primeiro corte de cabelo, da sua primeira cambalhota.

Amo sua primeira pergunta, seu primeiro dia na escola, seu primeiro amor...

Entre as várias coisas que vou te ensinar, uma delas é que você é eternamente responsável por aquilo que cativas.

Não me importa quem você é, de onde vem, o que vai ser. Você já me cativou.

Bem–vindo bebezinho!!!

A Tia Bruna já ama você.