segunda-feira, 27 de abril de 2009

Fica no repeat do carro

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Beijo



Nesse beijo entrelaçado, descubro olhares enfeitiçados, lábios molhados, rendidos, seduzidos, conquistados.

Nesse beijo inquieto, no tempo sem tempo, registo os suspiros, os toques, o desenho.

Nesse beijo com fôlego, quente, temperado, descubro o momento, desejo vivido, um querer anunciado.

Nesse beijo, descubro o beijo escolhido.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Expose yourself

Mulher tem umas coisas engraçadas, né. A gente tem umas curiosidades um tanto quanto obscenas sobre nós mesmas. Tudo bem saudável e natural, mas cheio de fantasias.

A gente quer saber se é boa de cama, caso fosse “profissional ”se estaria entre as tops, quanto iria cobrar, no que a gente é boa, o que faz de melhor.

A gente se imagina dançando em cima de um balcão de bar, no palco de uma balada, ou até com aqueles mastros de ferro de striptease.

A gente fica se perguntando se posaria para a Playboy.

Antigamente a resposta poderia ser não. Não era bom imaginar um monte de homem babando e batendo punheta em cima da sua foto, no banheiro. Imagina chegar a uma borracharia e ver sua foto pregada lá.

Mas, hoje em dia, por vaidade e por um bom dinheiro, a resposta seria sim.

Hoje, você fica visada por um mês, na próxima edição outra vai ser o centro das atenções e vão esquecer você.

Daqui alguns anos, ninguém mais vai lembrar e você tem pelo menos um apartamento.

E por vaidade então, nem se fala. Imagina.

Claro que tem toda aquela historia de depende da revista, as fotos têm que ser de bom gosto, uma coisa mais sensual do que vulgar, instigante, provocativa.

A gente ate já chegou a analisar a vida das mulheres que já posaram pra ver se elas tinham dado “gente”. Se tinham se casado, se eram felizes, se eram mulheres respeitadas perante a sociedade, entendem?

Chegamos à conclusão que dá, que a gente pode fazer, rs

Quando completei 30 anos, eu fiz um ensaio clicado por um fotógrafo e uma fotógrafa. Ficou bem legal. E aquele negócio de “fazer amor com a câmera” é bem real.

Lógico que não é com a câmera, mas você imagina que tem alguém te olhando, alguém que você gostaria que estivesse ali, alguém pra quem você gostaria de se expor daquele jeito.

Música ajuda.

Tenho uma amiga que tirou umas fotos pra um calendário, coisa da faculdade de jornalismo. Óbvio que a foto que foi publicada foi uma só de rosto e as outras ela não mostra pra todo mundo, não. Só para as amigas e pessoas especiais.

Já outra fez um pôster e colou na parede do quarto. Se deu de presente antes de casar.

Uma outra saiu na Trip. Bem legal.

A gente é assim. Tem um lado nosso que quer ser apreciado pelo charme, pela beleza, pela sensualidade.

Tem fase em que a gente quer se mostrar mais que em outra. E a gente dá um jeito de resolver isso, seja entre quatro paredes, seja fantasiando, seja só entre amigas, ou fazendo algo que nos lembre disso depois.

Eu, particularmente, acho que estou na minha melhor fase, de tudo. Sabe quando junta tudo bom. Acho que é o ápice mesmo da vida.

Bom, entre fantasias e realidades que fazem parte da vida da gente, o fato é que cabelo arrumado, unha feita e uma roupa que te favoreça, nunca fazem mal a ninguém.

segunda-feira, 6 de abril de 2009