terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Conchinha

Tem dias que a gente só quer dormir de conchinha. Nada mais...

domingo, 22 de janeiro de 2012

Constatação

Não se apaixone por mim. Dizia ele.

Não se preocupe, não vou me apaixonar, e nem quero.  Respondia ela com toda a certeza do mundo.

Até porque, neste caso, ela poderia, perfeitamente, ter sido a autora da primeira frase...

domingo, 15 de janeiro de 2012

Fama de comedor

Daí eu resolvi dar pro cara. Dar só por dar. Só porque ele tava com vontade de me comer e porque eu queria sentir ele me chupar.

Foi bom. 7,5. Primeira vez com ele, sem muita intimidade...mas eu consegui gozar gostoso sentada na boca dele.

É porque, lá no meio de tudo, o cara resolve me chamar de amor enquanto eu estou colocando o pau dele na boca.

Resolve falar que ”me ama” enquanto eu estou sentada nele.

Poxa. Não! Não é assim que funciona.

Durante o sexo, quero que ele me chame de minha putinha,  gostosa, delícia,  que vai me comer gostoso...

Amor, eu quero ouvir do cara que realmente me ama, e ali, depois de tudo, quando a gente está só de carinho.

Ou então, durante, mas quando a gente faz amor calminho, tranquilo, romântico.

De alguém que eu estou ficando por simples e puro tesão, eu quero tesão!

Neste caso o “por que você demorou tanto pra ficar comigo” tem muito mais resultado.

A intenção é até boa, mas...

Homens...

O que importa é que eu vou encontrar ele hoje, de novo. Quem sabe ele me encoxa na parede ou me pega pelo cabelo e faz por merecer a fama de comedor que ele tem.

;)

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O que de verdade faz uma mulher gozar?

Quero chegar em casa logo e tirar a roupa. Muito calor  hoje. 
Casa vazia. Deixa eu tirar esse vestido. Nossa, como eu tô suada. Ventilador, janela aberta, cama fresca. Como é bom chegar em casa quando ainda tem luz lá fora. 
E ele, hein? O que será que ele fazendo agora no fuso horário de 2 horas mais tarde? Tô morrendo de saudade e ainda faltam dois dias pra ele chegar. Adorei nossa conversa mais cedo hoje pelo MSN. 
Estou morrendo de vontade de transar com ele. Não vejo a hora de sentir de novo aquele pau, aquelas mãos grandes, aquela pegada. 
Pronto, sem calcinha. Ventinho.
Ia adorar transar com ele em cima da mesa. Imagina, abrir a porta naquele estilo cinema, numa pegada absurda, em menos de 3 segundos meu sutiã já do outro lado da casa. Tirar a camiseta dele e depois a calça, comendo cada pedacinho daquele corpo gostoso com os olhos até chegar naquele ossinho do quadril. 
Engolir o pau dele no máximo que der, sem engasgar, feito putinha. Olhando nos olhos dele. Consigo até sentir o gosto. Água na boca.
Cadê aquele vibrador? Continuar só com a mão não vai rolar, quero algo como o pau dele.
Achei você! Vou colocar no médio, muito forte deixa tudo meio dormente. Hmm, assim só por fora, ele me chupando, arregaçada, na mesa. Apertando minha bunda, meu quadril, lambeando e mordendo minhas pernas, minha buceta molhada. 
Ele olha meu corpo, pensando “Sua gostosa do caralho”. Aperta meus peitos. Como eu gosto dos meus peitos quando eu estou com tesão… Eu os lamberia agora se pudesse.
Ele tenta meter o pau de uma vez só, mas é muito grande. Vai devagar, por mais que eu esteja ofegante de tesão. Continua me olhando nos olhos, aquela misturinha de ternura e instinto animal de “Eu vou te arrombar, sua vadia!”. 
Nossa, tô imaginando isso tão forte que parece que ele vai se materializar aqui. 
O pau dele entrou, inteiro. Eu tô completamente tomada, tentando me abrir mais pra ver se ele entra mais. Arranhando as costas dele, mordendo os lábios dele. Me fode como um animal, sem dó, me morde, me bate, me aperta como se fosse tirar pedaço. Ia adorar ver essa cena de um espelho, por todos os cantos. Ele me fodendo, bem gostoso.
Aquele vai e vem de uma metida punk rock. Ele delirando com a cena, me jogando em todas as posições. Como aquelas que o M fez na praia. Se o P me comer como o M comeu, eu gozo em 5 minutos. 
Aquela fúria nos olhos dele, eu de costas, toda aberta, as mãos e a boca dele escorrendo pelo meu corpo. A pele suave da minha buceta pra ele me encher de porra. Aqueles dedos enormes na minha boca. 
Vai. Assim. Me xinga, enquanto eu olho você meter até o talo. Vai, porra! Me fode, seu cachorro!
Devia ter gravado eu gozando agora e todos os sons que eu fiz batendo essa e mandar pra ele escutar.